Pesquisar

Anúncio

Fine Art Filmes
Sites

Rock Pixel desenvolvendo para Fine Art Filmes

Para este layout foi realizado uma pesquisa no que existe de mais atual em desenvolvimento de sites. Um layout seguindo as tendências nacionais e internacionais,destacando os vídeos, que é o produto principal da Fine Art Filmes. Queremos um site simples, atual e que mostre bem o nosso trabalho. – Jeferson Dona, um dos diretores da Fine Art Filmes. O sistema administrativo é desenvolvido pela Rock Pixel e não utiliza nenhuma plataforma pré-pronta, como WordPress ou Joomla, o que garante a personalização completa do CMS para as necessidades do cliente.

Clique aqui e leia mais
A energia do Rock
Internet

A energia do Rock combinada com as possibilidades de negócio da internet.

E é isso que temos, bastante energia, criatividade, inovação. Sempre trazendo novas ideias para sua campanha e energia para manter tudo sempre atualizado e funcionando. Desenvolvemos sistemas para web-pages (front e back-end’s), produzimos conteúdo para sua rede social ou página, gerenciamos suas contas nas redes sociais, controlamos seus anúncios patrocinados no Google e no Facebook, tudo isso ao som de um bom rock’n’roll. Entre em contato e faça um orçamento:[email protected]

Clique aqui e leia mais
Framework
Sites

Você sabe o que é um framework?

Ter em mãos uma ferramenta robusta e poderosa para otimização de tempo, hoje é essencial para o programador. Para esta questão, foram agrupados vários facilitadores, funções e plugins, que podemos reutilizar em todo o código, surgindo assim o conceito de framework. O que torna o framework tão especial, é que ele é seguro, pois foi desenvolvido por pessoas que atuam no ramo e sabem das falhas que um programador inexperiente pode deixar passar. Outro benefício é que na internet, já existem inúmeras soluções prontas para serem usadas, o que torna mais rápido e simples de resolver um problema muito comum. A orientação a objetos é outro ponto favorável, bem como o sistema MVC (Model, View and Control), onde conseguimos separar o que são dados, o que fazer com eles e a parte de interface com o usuário. Na engenharia de software é comum falar que um projeto é Orientado a Objetos, mas isso não é um bicho de 7 cabeças. Esse modelo tenta transportar o problema do mundo real, para o mundo virtual, ou seja, são abstraídos conceitos desse problema, criando classes e conjuntos de grupos, como se fosse na vida real. Um exemplo bem simples: Vamos pegar como base a classe Carro. Todo carro tem basicamente 4 rodas, motor, volante e vidros. Mas só a palavra carro não nos oferece muitas descrições. Com esta base definida para um carro, podemos criar uma subclasse Hatch e Sedan, que são modelos distintos, mas com a base principal da classe Carro (rodas, motor, volante e vidros). Dessa forma podemos abstrair praticamente tudo dentro do modelo Orientado a Objetos, onde temos uma classe superior e as classes inferiores, que utilizam os dados já prontos da classe superior, até chegarmos ao objeto, que pode ser representado por exemplo, pelo modelo BMW 320i, onde este

Clique aqui e leia mais