fbpx

Seu site em WordPress, no servidor do Google, totalmente gratuito!

Sua empresa nas nuvens

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Se desejar escutar o conteúdo dessa matéria em formato de áudio, o player abaixo fará isso pra você!
É só dar o play ▶️

A maior empresa computacional do universo, todos sabemos que é a Google, e se você deseja ter seu site em WordPress hospedado pela gigante mundial, este passo-a-passo vai colocar a sua empresa para o mundo.

Ela está presente em praticamente todos os países, e domina de longe as buscas na internet, muito a frente de outros concorrentes como o Bing da Microsoft, ou do buscador do Yahoo.

O que eu acredito que talvez você não conheça, são os serviços que o Google pode oferecer para seu negócio, no formato de soluções computacionais.

Antes de iniciar esse passo a passo contigo, entenda antes quais são as soluções que o Google pode te oferecer. Quem sabe você está pagando caro por um serviço que não está utilizando em sua totalidade, e pode reduzir custos, otimizando a performance.

Seu site em Wordpress, no servidor do Google, totalmente gratuito! 1
O Google tem servidores espalhados por diversos países

O que é o Google Cloud Platform?

A sigla GCP (Google Cloud Platform) significa uma caixa enorme de ferramentas para os desenvolvedores.

Esta reunião de diversas áreas, tem funcionalidade pra praticamente tudo quando o assunto é computação nas nuvens (cloud computing).

Se a sua empresa tem alguma necessidade de tecnologia, com certeza o Google terá uma solução bastante robusta para atender as suas necessidades.

Seu site em Wordpress, no servidor do Google, totalmente gratuito! 2
O Google Cloud Platform é uma caixa de ferramentas para desenvolvedores

Quais são os serviços do Google Cloud Platform?

Existem diversas áreas de atuação dentro do console pra você selecionar.

Na área de computação, você terá serviços que irão envolver a base dos servidores, que é a parte mais robusta. Aqui você vai escolher o sistema operacional, quanto de processamento irá utilizar, memória, enfim, vai montar a sua máquina para que os serviços possam rodar.

No menu de armazenamento, você vai trabalhar com serviços onde precisa de espaço em disco, como armazenamento de bancos de dados, backups, drives virtuais, ou outro serviço que você tenha a necessidade de gravar algo em disco para que não seja perdido.

Tem também a área de rede, onde você pode configurar os IP’s externos dos servidores, para que possam ser acessados e lidos fora do ambiente do Google, pode configurar seus domínios e acessar serviços de segurança e proteção (firewall) para que suas aplicações não tenham baixa em caso de ataques.

O menu de stackdriver é reservado para gerenciamento e monitoramento dos seus serviços. Aqui você pode ter relatórios completos e importantíssimos quando seu negócio requer alta disponibilidade, como por exemplo, uma loja virtual, ou algum serviço de consulta que esteja oferecendo. Você pode configurar alertas e padrões de gerenciamento de crise, para que o sistema tome medidas automáticas para as situações que estiverem previstas.

Na parte de ferramentas, você tem poderosas opções para dar suporte ao seu ambiente de desenvolvimento, que vão auxiliar a sua equipe na produção do seu aplicativo. São ferramentas e bibliotecas que auxiliam nessa parte de criação de código, e pode gerenciar todo o processo de codificação, e também pegar os erros que podem ocorrer neste processo.

A internet está cheia de dados, e você pode coletar todos eles com as ferramentas corretas. Mas ter todos estes dados e não saber o que fazer com eles, é o mesmo que não ter nada. A área de big data do GCP vai te ajudar a entender um pouco mais sobre todos estes números que você coletou.

O setor de inteligência artificial vai levar suas aplicações para outro nível de produção. O Google conta com modelos já prontos, sendo possível selecionar e começar a utilizar em seu aplicativo. Tem também a possibilidade de criar máquinas inteligentes, realizar toda a parte de treinamento e programação, para que você possa extrair o máximo de funcionalidades, entregando a melhor experiência para seu usuário.

É muito difícil iniciar uma máquina no Google Cloud?

Ammmmmmm nop
Ammmmmmm nop

O painel pode parecer um pouco complexo no começo, mas com um pouco de persistência e paciência você terá sua máquina rodando nos servidores do Google em pouco tempo.

Todo o sistema foi pensado para que você possa ter tudo na mão, na ponta dos seus dedos, tudo através de alguns cliques. Se você não tem conhecimento em Linux, nem sabe qualquer função de linha de comando, não se preocupe que tudo pode ser feito de forma rápida e simples com seu mouse.

Qual a vantagem de colocar meu blog no Google Cloud?

A principal vantagem é a alta disponibilidade que seu site terá.

Mas o que isso significa?

Isso significa que você pode dormir tranquilamente, que seu site com toda a certeza do universo, vai estar online.

Um grande problema que já tive com alguns servidores, são algumas paradas não previstas. Teve um caso de uma grande empresa, com servidores espalhados por diversos países, e o datacenter aqui do Brasil pegou fogo, interrompendo não só o meu serviço e dos meus clientes, mas também de diversas outras empresas.

Então com isso você pode ficar despreocupado. É garantido! O Google está 24 horas por dia, 365 dias por ano, online 100% do tempo.

Passo a passo

Já falamos demais e fizemos muita propaganda gratuita para o Google Cloud.

Vamos então colocar a mão na massa, e começar a utilizar toda essa estrutura, para beneficiar a sua empresa ou o seu negócio.

1 – Começando…

Vamos fazer o login no painel do Google Cloud Platform.

Então acesse o endereço https://console.cloud.google.com/ e entre com seu e-mail e sua senha que utiliza no Gmail.

Se não tiver nenhuma conta no Google, nesse painel você pode já configurar a sua conta, e na sequencia, já ir para o painel da nuvem. Basta clicar em Criar conta que você será direcionado para o formulário de cadastro.

Tela inicial do Google Cloud Platform
Tela inicial do Google Cloud Platform

2 – Organizando as coisas

Antes de iniciar qualquer máquina ou servidor, vamos criar um projeto para colocar tudo em seu devido lugar, e deixar nossas aplicações organizadas.

No topo da página, ao lado do logotipo do Google Cloud Platform, tem uma caixa chamada Selecione um projeto. Vamos clicar nela, e uma nova tela será aberta.

Nesta tela serão mostrados todos os projetos que você possui neste login, e como ainda não temos nada iniciado, temos que criar um novo projeto.

Eu vou iniciar um blog para este quadro, então vou criar um novo projeto chamado Mudando Mindset.

Seu site em Wordpress, no servidor do Google, totalmente gratuito! 3
Organizando as coisas e criando um novo Projeto

3 – Utilizando os créditos gratuitos

Se você ainda não tem nenhum projeto no GCP e é uma conta nova, o Google vai te presentear com U$ 300,00 de bonificação, para testar a sua estrutura.

Este bônus será válido por 12 meses, ou até que esta cota seja consumida.

O GCP NÃO é gratuito. Nós estaremos utilizando este bônus para que você possa usar a estrutura durante 1 ano inteirinho, antes de ter qualquer cobrança.

Com este nosso tutorial, você vai utilizar os 12 meses tranquilamente, e depois terá uma cobrança irrisória para manter seu site por lá. Você verá mais pra frente.

Então na área de faturamento, cadastre um cartão de crédito válido para que o Google reconheça que, caso seja necessária alguma cobrança, você tem um meio de ser cobrado.

Cadastre seu cartão e ative os bônus
Cadastre seu cartão e ative os bônus

4 – Selecionando o serviço

Agora chegamos na área divertida, onde tudo começa a tomar forma e nosso Frankenstein começa a subir pra ser energizado.

Na barra azul do topo, clique no ícone do menu, o popular sanduíche, e clique no item Marketplace. Aqui tem diversas aplicações pré-formatadas, que podem ser iniciadas com poucos cliques, disponibilizadas por grandes empresas, e certificadas pelo Google para estarem ali.

Desça até o fim da página, na área de Blog e CMS, e procure pelo item WordPress Certified by Bitnami. Se não conseguir encontrar, procure na caixa de busca no topo da página, ou então clique nesse link que vai te levar direto pra ele.

Procure por WordPress Certified by Bitnami
Procure por WordPress Certified by Bitnami

Na lateral esquerda é informado quais os serviços que serão rodados dentro desse templates. No início ele descreve alguns plugins do WordPress que já serão instalados, tem também o servidor de PHP, que é a linguagem de programação que o WordPress utiliza pra desenvolver toda a plataforma, tem o servidor de banco de dados, que é o lugar onde serão armazenadas todas as suas informações, a última versão do WordPress, entre outros.

O importante é que isso não nos interessa. Ali tem tudo o que você precisa pra começar seu site.

Mais pro fim da página, na lateral direita, tem uma estimativa de custo mensal para o ambiente sugerido pelo desenvolvedor deste template. Não tenha isso com base que vai diminuir com essa nossa sugestão. Pode ficar tranquilo.

Se aparecer alguma mensagem para ativar o faturamento, pode clicar para prosseguir.

Tudo explicado, vamos em frente.

5 – Iniciando o servidor

Nesta etapa, clique no botão azul do topo da página, em Iniciar no Compute Engine.

Nesta tela iremos definir os recursos do servidor.

Na primeira etapa, vamos colocar um nome para nosso servidor. Neste meu caso, estou criando um blog para esta área, então o nome será blog-mudando-mindset.

No próximo campo, vamos selecionar a área de menor custo e gratuita do Google Cloud, que são os datacenters de Oregon (us-west1), Iowa (us-central1) e Carolina do Sul (us-east1). Você pode ver tudo isso nesse link para conhecer mais sobre os serviços gratuitos do Google.

Vamos utilizar o servidor do Oregon neste exemplo, então vamos selecionar us-west1.

Na próxima caixa que abrir, você verá que terão 3 zonas diferentes. Não fará diferença qual você escolher, pode ser a, b ou c. Qualquer uma.

Agora vamos selecionar a especificação da nossa máquina virtual. Clique no campo de seleção, e marque a opção f1-micro (1 shared vCPU). Esta é versão gratuita do Google Cloud para que você possa experimentar.

Note que o valor na lateral direita já diminui.

Abaixo, vamos selecionar o tipo de disco de armazenamento que este servidor irá utilizar. Pode mudar pra HD SSH. O valor de diferença é irrisório e a performance de acesso aumenta muito.

O tamanho do disco fica automaticamente em 10GB. Isso é mais do que necessário para seu projeto que está começando.

Na área de Networking, vamos somente ativar o acesso em HTTP e também em HTTPS em Firewall, pois vamos ativar o protocolo de segurança e encriptação, e vamos configurar isso mais tarde.

Clique para aceitar os termos do GCP Marketplace, e então clique no botão azul Implantar no final da página, para começar a construir a sua máquina virtual.

Não esqueça de ativar o HTTPS também
Não esqueça de ativar o HTTPS também

6 – Ele está vivo

Enquanto seu servidor está sendo ativado pelas ondas eletromagnéticas de toda a energia do datacenter do Google, dá tempo de você encher a sua caneca de café, e quando voltar, tudo estará funcionando.

Os dados de acesso serão fornecidos na área da direita. Anote bem estes dados, pois caso perca, você terá um servidor moribundo dentro do Google que ninguém terá acesso, e ficará isolado de toda a internet.

Isso não faz bem para os sites. Eles foram criados para serem acessados, portanto anote e guarde em local seguro estas informações.

Dados de acesso ao servidor
Dados de acesso ao servidor

7 – Primeiro acesso

Depois de tudo instalado e online, vamos realizar nosso primeiro acesso em nosso novo servidor.

Clique no link de acesso administrativo, e utilize o usuário user e a senha que foi informada na tela de configuração, após o servidor ficar online.

Com estes dados você já tem acesso ao painel administrativo do WordPress, e já pode visualizar seu servidor online, no primeiro link da janela da direita.

Vamos publicar nosso primeiro post do blog!

Vá no menu Posts, e clique em Adicionar novo.

Faça qualquer publicação de teste. É somente pra gente ver que está tudo online e funcionando.

Mas ainda não está amigável, você não quer passar estes dados para seu visitante, nem colocar esse monte de número no seu cartão de visita.

Então vamos configurar nosso domínio pra funcionar!

Ele esta vivoooo!!!
Ele esta vivoooo!!!

8 – Tornando nosso servidor público

Até então, esse nosso servidor não tem um endereço público para que os registros de domínios possam acessar. Então vamos fazer isso agora mesmo pra que possamos colocar nosso domínio pra funcionar!

Na área de Rede do menu, vá até o menu Rede VPC, e selecione a opção Endereços IP externos.

Nessa página você verá o nosso servidor virtual, e o endereço de IP atribuído a ele na rede.

Na coluna de Tipo, basta você alterar a opção para Estático, colocar um nome, e caso desejar, uma descrição para este IP que agora é de uso exclusivo deste seu servidor.

Coloque o seu IP para estático
Coloque o seu IP para estático

9 – Criando os caminhos corretos

Antes de configurar nosso domínio pra funcionar, temos que informar ao nosso servidor, por qual nome ele será chamado na internet, para que estes pedidos possam ser direcionados para o servidor correto, e este serviço é chamado de DNS (Domain Name Server).

Vamos criar esta configuração para que nosso servidor responda por qualquer chamado feito para o domínio mudandomindset.com.br

Na área de Rede, procure o menu Serviços de rede, e então selecione a opção Cloud DNS.

Vamos criar uma nova zona de rede, e selecionar o tipo para Público, pois queremos que todos possam acessar nosso site.

Em nome da zona, vou colocar simplesmente mudandomindset, mas você pode dar o nome que quiser para seu projeto.

Em Nome do DNS, coloque o domínio que você quer configurar. Em meu caso será mudandomindset.com.br.

O próximo campo é de segurança, mas neste caso não iremos utilizar. Pode deixar na opção padrão.

Clique no botão Criar.

Agora já temos os dados para colocar em nosso registro do domínio, mas antes vamos fazer mais algumas configurações aqui.

Clique no botão Adicionar novo registro, e em Nome de DNS, pode deixar em branco, selecione o Tipo de registro para A, e coloque o mesmo endereço de IP que você setou anteriormente para fixo. Ele está também naquelas informações que você salvou anteriormente. Lembra que te falei que iríamos utilizar de novo? Lembra? Lembra?

Pode clicar em Criar.

Vamos adicionar mais um registro ali, e em Nome de DNS, agora digite www, minúsculo mesmo, sem espaço, sem ponto, sem vírgula, sem nada. Só www.

Troque o Tipo de registro para CNAME e em Nome canônico, informe o seu domínio. No meu caso é mudandomindset.com.br.

Isso é para informar ao servidor que se tiver algum pedido para o seu site com ou sem o www antes do domínio, o serviço vai responder da mesma forma.

Pronto, agora temos tudo o que precisamos para configurar nosso domínio.

Assim deve ficar o seu DNS
Assim deve ficar o seu DNS

10 – Registrando um domínio

Você pode utilizar qualquer serviço de registro de domínio. O Google tem um também este serviço através do Google Domains.

Eu já tinha o domínio mudandomindset.com.br registrado no Registro.br, então vou utilizar de lá mesmo.

No painel do registro, peça pra editar os servidores DNS. Se tiver alguma informação, pode trocar sem medo.

Copiamos os dados que o Google nos forneceu, e colamos 1 a 1, alterando e criando 4 endereços de servidores.

Basta salvar, e pronto! Em algumas horas seu servidor já vai estar respondendo pelo seu próprio domínio!

Altere os servidores no seu registro de domínio
Altere os servidores no seu registro de domínio

11 – Instalando o certificado de segurança SSL

Nós prezamos pela segurança dos dados dos nossos visitantes, e portanto não podemos deixar nosso site desprotegido.

Veja nessa matéria, como isso influencia no seu posicionamento no Google: O que é certificado SSL e como isso influencia nas buscas do Google?

Você pode ver isso acessando seu site, e sendo denunciado pelo seu navegador. Não queremos isso!

Vamos então fazer algumas configurações para otimizar este processo em nosso novo servidor.

Vamos ao menu do topo da página, dentro da área de Computação, procure pelo item Compute Engine, e selecione Instâncias de VM.

Você verá o seu servidor e mais alguns dados. Procure a coluna Conectar, e clique no botão SSH.

!!!***IMPORTANTE***!!! Tenha muito cuidado com o que digitar aqui. Você está acessando o coração, o cérebro e todas as conexões nervosas do seu servidor! Se digitar algo errado, vai ter que começar o procedimento do zero! Copie e cole os próximos comando se você não tiver experiência com servidores!

Após conectar você com segurança com servidor, vamos gerar nosso certificado SSL.

***Lembre-se de trocar os dados de e-mail e domínio para os seus!

Execute este comando:

sudo /opt/bitnami/letsencrypt/scripts/generate-certificate.sh -m [email protected] -d mudandomindset.com.br -d www.mudandomindset.com.br

O sistema irá gerar algumas notificações e vai pedir se você deseja continuar.

Digite y e aperte enter.

Agora ele vai te informar alguns links com os termos de serviço. Recomendo que você leia, mas vamos concordar.

Digite y e aperte enter.

O sistema agora vai gerar os certificados de segurança, e vai te informar que ele tem data de expiração para 12 meses. A próxima mensagem vai te requisitar se deseja que o próprio sistema faça uma verificação de validade desse certificado, e que faça a renovação em caso necessário.

Digite y e aperte enter.

Lembre-se de alterar os dados para a sua realidade
Lembre-se de alterar os dados para a sua realidade

12 – Sempre seguro

Até então, nós somente geramos o certificado SSL no servidor.

Vamos agora configurar para que, caso um visitante acesse sem o HTTPS, o próprio servidor redirecione ele para o site com o protocolo de segurança.

!!!***ATENÇÃO***!!! Vamos editar outro arquivo de configuração! Siga exatamente estes passos ou terá que começar do zero novamente!

Copie e cole esta linha no servidor:

sudo nano /opt/bitnami/apache2/conf/bitnami/bitnami.conf

Procure pela linha <Directory “/opt/bitnami/apache2/htdocs”> e adicione estes dados ANTES dela:

RewriteEngine On
RewriteCond %{HTTPS} !=on
RewriteRule ^/(.*) https://mudandomindset.com.br/$1 [R,L]

Lembre-se de alterar a URL para o seu domínio, se não toda chamada para seu site vai direcionar para o meu blog rssss.

É dessa maneira que vai ficar dentro de <VirtualHost _default_:80>

DocumentRoot “/opt/bitnami/apache2/htdocs”

RewriteEngine On
RewriteCond %{HTTPS} !=on
RewriteRule ^/(.*) https://mudandomindset.com.br/$1 [R,L]

<Directory “/opt/bitnami/apache2/htdocs”>

Aperte as teclas ctrl + x para que o editor possa entender que você quer sair.

Ele vai informar no rodapé se você deseja salvar estas alterações. Aperte y e tecle enter.

Novamente ele vai gerar uma notificação, pedindo se quer salvar com o mesmo nome de arquivo. Somente aperte enter que já vai sair do editor.

Assim deve ficar o seu arquivo
Assim deve ficar o seu arquivo

Depois de todas as alterações realizadas, temos que colocar isso em prática em nosso servidor.

Lembre-se, ele está rodando e não sabe que os arquivos foram alterados, então teremos que reiniciar o serviço, através deste comando:

sudo /opt/bitnami/ctlscript.sh restart apache

Tente acessar novamente seu domínio, e verá que agora está tudo protegido e seguro!

Esta parte da configuração SSL, está concluída!

Parabéns!

13 – Tem algo estranho

Notaram que no canto inferior direito tem um banner que não deveria aparecer ali?

O que este selo está fazendo ali?
O que este selo está fazendo ali?

Este é um banner de publicidade da empresa que desenvolveu esse templates de instalação no Google Cloud, mas a boa notícia é que podemos retirar ela daí.

Vamos abrir novamente o SSH, através do menu superior, dentro da área de Computação, procure pelo item Compute Engine, e selecione Instâncias de VM.

Você verá o seu servidor e mais alguns dados. Procure a coluna Conectar, e clique no botão SSH.

Não preciso nem falar novamente pra ter cuidado com o que digita, né?

Copie e cole este comando:

sudo /opt/bitnami/apps/wordpress/bnconfig –disable_banner 1

Esta rotina remove o banner, mas novamente, nosso servidor ainda está rodando, e não sabe que foi realizada uma alteração nas configurações. Vamos reiniciar ele novamente:

Copie e cole este comando:

sudo /opt/bitnami/ctlscript.sh restart apache

Pronto! É só atualizar sua página e o banner deverá ter sumido!

Pronto já estamos sem o selo
Pronto já estamos sem o selo

Solte a sua imaginação

Depois de ter instalado e configurado tudo, agora é hora de personalizar seu WordPress da forma que achar melhor.

Instale temas e plugins, e deixe o site da maneira que se encaixe melhor com a identidade do seu negócio, e já fique ligado em todas as atualizações do Google, inclusive a última atualização lançada, que é totalmente compatível com alguns pluguins do WordPress.

Inclusive temos uma outra matéria aqui, sugerindo alguns plugins pra WordPress: 5 ferramentas para gerenciar o seu Marketing Digital

Gostou desse conteúdo? Fez a diferença para o seu negócio ou para sua equipe? Comente aqui em baixo e me diga como utilizou e que resultados obteve!

Acesse nossos canais e curta as nossas publicações.

Facebook: http://bit.ly/2W8buY0

Twitter: http://bit.ly/2VTBsd5

YouTube: https://bit.ly/2YNQseg

Instagram: http://bit.ly/2YQMEc6

LinkedIn: http://bit.ly/2YPpnr8

Messenger: http://bit.ly/2QrpuGt

Aproveite para comentar quais ideias teve, e como irá começar a colocar em prática.

Lembre-se de curtir o vídeo no YouTube, seguir o nosso canal e ativar o sininho para receber sempre em primeira mão as novidades.

Siga também a nossa página no Facebook, que trás sempre conteúdo exclusivo e relevante para seu negócio.

Este foi mais um Mudando Mindset da Rock Pixel Digital, hoje te mostrando um passo-a-passo bem didático de como colocar seu primeiro domínio no Google, utilizando a ferramenta do Google Cloud Platform.

Grande abraço e lembre-se: você é do tamanho da sua mente!

Sucesso!

Gostou dessa matéria? Comente sobre a sua opinião!

Anúncio

Ultimas noticias